O QUE PODE CAUSAR CÂNCER? VEJA 35 HÁBITOS ASSOCIADOS A ESSA DOENÇA

Na luta contra o câncer no Brasil, mais de 220 mil pessoas vieram a óbito em decorrência da doença, somente em 2018, segundo os dados registrados pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer). Embora se use normalmente o nome no singular, é preciso lembrar que “o câncer” representa um conjunto de mais de 100 doenças diferentes que têm em comum, apenas, o crescimento descontrolado de células, invadindo tecidos, formando tumores e alterando o nosso DNA.

Para a ciência, as diferenças entre os tipos de câncer correspondem às diferentes células do corpo humano que elas afetam. Por exemplo, se as células tumorais se desenvolvem na pele ou em tecidos que recobrem órgãos, ossos e glândulas, são chamadas de carcinomas. Outro ponto que os diferencia é a velocidade com a qual se multiplicam e formam metástases — as lesões tumorais que se espalham pelo corpo.

Em um cenário que mais se parece com uma guerra, alguns casos de câncer, realmente, estão fora do controle humano, seja por fatores genéticos ou mudanças genéticas que sofremos ao longo da vida. Entretanto, evidências apontam que alguns comportamentos de risco ou uso de determinadas substâncias podem, sim, aumentar as chances de desenvolvimento de um câncer.

A seguir, você confere 35 agentes cancerígenos já conhecidos pela medicina e alguns suspeitos de causarem essas alterações, que podem ser fatais, no organismo humano.

35 fatores ligados ao aumento do risco de câncer

1. Açúcar: mais do que casos de diabetes, o consumo excessivo de açúcar pode danificar as células do organismo e aumentar o risco de câncer. Pior ainda, estudos recentes apontam que o açúcar pode estimular o crescimento de um tumor, porque as células tumorais usam essa substância como combustível. “O consumo hiperativo de açúcar pelas células cancerosas leva a um ciclo vicioso de estimulação contínua do desenvolvimento e crescimento do câncer”, afirma o biólogo molecular Johan Thevelein.

2. Alimentos processados: segundo cientistas na França, há uma ligação entre as pessoas que consomem mais alimentos processados ​com os indivíduos que desenvolvem câncer. Entretanto, não se sabe qual é a origem dessa relação. Poderia ser, por exemplo, a embalagem utilizada ou ainda substâncias que prolonguem sua validade.

3. Fumar: pesquisa apontam há anos que a fumaça do tabaco contém cerca de 70 substâncias químicas cancerígenas. Infelizmente, isso também vale para os fumantes passivos — grupo que não fuma, mas acaba inalando a fumaça pelo ambiente. De acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, “os não fumantes expostos ao fumo passivo, em casa ou no trabalho, aumentam o risco de desenvolver câncer de pulmão em 20%-30%”.

4. Talvez, o uso de vapes: mesmo que pesquisas nessa área ainda sejam recentes, há alguns sinais de que podem causar complicações no sistema respiratório. “Penso que existe um consenso emergente de que as células imunológicas do pulmão ficam um pouco perturbadas com a vaporização”, explica o professor Robert Tarran, que estuda o tema na Universidade da Carolina do Norte.

5. Bronzeamento artificial: o consenso aqui é bastante “popular”. De acordo com a Fundação do Câncer de Pele (SCF), fundado nos EUA, indivíduos que realizam sessões de bronzeamento artificial antes dos 35 anos, aumentam o risco de desenvolver melanoma em 75%.

6. Esquecer o protetor solar: a exposição ao Sol, sem proteção, pode causar riscos para a saúde, como o câncer de pele por causa dos raios UV. Por isso, o Inca recomenda que “durante a exposição ao Sol sejam usados filtros com FPS 15 ou mais e que protejam também contra os raios UV-A”.

7. Contato com produtos tóxicos no trabalho: no dia a dia, algumas pessoas lidam com substâncias cancerígenas para a realização de suas atividades profissionais, como pintores, fabricantes de borracha e, eventualmente, cabeleireiros. Dependendo do nível de exposição, da qualidade dos produtos usados e das condições de proteção, o risco de desenvolvimento de um câncer cresce.

8. Turno da noite: segundo a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC), parte da OMS, o trabalho noturno pode ser “provavelmente” cancerígeno para os funcionários. Isso porque os cientistas entendem que trabalhar fora do horário considerado normal pode afetar os ciclos circadianos naturais de sono e vigília do corpo.

9. Carvão: ainda nos riscos associados ao trabalho, há maiores chances do aparecimento da doença entre os mineradores de carvão. Entre os tipos mais comuns, estão: câncer nos pulmões; bexiga; e estômago. Uma das possíveis ideias é que isso ocorra por causa do pó de carvão inalado.

10. Arsênico: parte natural da crosta da Terra, é uma substância tóxica em sua forma inorgânica. Nessa formação pode ser encontrado até na água potável contaminada de alguns lugares como Bangladesh, na Ásia, ou em outras regiões onde os sistemas de irrigação para plantações utilizam água com arsênico.

11. Churrasco: carnes assadas em altas temperaturas favorecem a liberação de produtos químicos, como as aminas heterocíclicas (AHCs) e hidrocarbonos policíclicos aromáticos (HPAs). Segundo experimentos feitos em laboratório, esses produtos conseguem desencadear alterações no DNA que, por sua vez, podem aumentar o risco de câncer.

12. Álcool: segundo o Instituto Nacional do Câncer, nos EUA, “o risco de desenvolver câncer aumenta com a quantidade de álcool que uma pessoa ingere” e alguns dos tipos podem ser o de garganta e o de fígado, por exemplo. Nesse caso, é preciso observar a frequência e a regularidade do hábito, também.

13. Escapamento de motor à diesel: isso porque o óleo diesel é composto por mais de 30 componentes potencialmente cancerígenos, segundo a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). Um dos riscos está em inalar partículas desse produto, após a combustão.

14. Sal e alimentos em conserva: o consumo excessivo de alimentos em conserva pode aumentar o risco de câncer de estômago, de acordo com a American Cancer Society. Por exemplo, um prato bastante popular na China, o peixe curado com sal, é rico em nitratos e nitritos, conhecidos carcinógenos em animais e que também aumentam o risco em humanos, já que podem danificar o DNA.

15. Carnes processadas: são potencialmente perigosos os alimentos como presunto, bacon e salsicha, segundo a OMS. Inclusive, um levantamento de 15 estudos sobre câncer de mama verificou que pessoas que consomem, com maior frequência, carnes processadas têm um maior risco em desenvolver câncer de mama. Em comparação com quem não consome, o risco está calculado em 9%, de acordo com artigo do International Journal of Cancer.

16. Poeira de madeira: o risco é potencializado para trabalhadores de serrarias e marceneiros, porque respiram com muita frequência essa poeira durante as etapas do trabalho. De acordo com o Inca, “há associação entre exposição a poeira de madeira e câncer de cavidade nasal, seios paranasais, laringe, pulmão, estômago, cólon e reto, leucemia, linfomas e mieloma múltiplo”.

17. Produtos usados no fraturamento hidráulico: pode parecer algo completamente distante, mas este é um método muito comum para a extração de combustíveis líquidos e gasosos do subsolo. É potencialmente perigoso para a saúde, porque nesse procedimento produtos químicos usados (como benzeno e formaldeído), conhecidamente causadores de câncer, podem ser liberados no ar e nas águas, contaminando a região.

18. Amianto: por muitos anos, o amianto foi utilizado na indústria pela sua abundância e baixo custo, inclusive na indústria da construção civil (como em telhas). Entretanto, passou a ser é classificado como um material reconhecidamente cancerígeno para os seres humanos, segundo o Inca. Atualmente, seu uso está proibido em uma série de países.

19. Alguns herbicidas usados na agricultura: com a diversa gama de produtos usada nas plantações, cada caso precisa ser analisado em suas particularidades. Entretanto, cada vez mais pesquisas sugerem que determinados produtos químicos, usados na agricultura, podem aumentar as chances do aparecimento de câncer em trabalhadores rurais. Recentemente, houve uma grande disputa judicial nos EUA entre agricultores e a produtora do herbicida glifosato.

20. Estrogênios: o câncer de mama, por exemplo, não tem uma causa única, mas alguns fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença, como o estímulo de estrogênio, tanto de dentro do corpo quanto de fora, de maneira não controlada. Vale lembrar que esse é um nome para uma série de hormônios relacionados à ovulação e desenvolvimento de características femininas.

21. Vírus: ser infectado por alguns tipos específicos de vírus podem aumentar, de forma indireta, as chances de um câncer, já que podem desencadear alterações genéticas nas células humanas. São os casos dos vírus da Hepatite B e C, por exemplo.

22. Genética: dessa vez, não adianta fugir. Isso porque o risco de determinados cânceres podem ser transmitidos de uma geração para a outra. Nese sentido, alguns tipos de câncer de mama podem ser considerados genéticos. Para esses casos, o importante é o acompanhamento rotineiro do estado de saúde da pessoa.

23. Obesidade: pessoas com obesidade podem ter um aumento significativo no risco de desenvolverem alguns tipos de câncer, como os de reto, esôfago, mama, tireoide, rim e pâncreas. No total, são 13 tipos de câncer associados a essa condição, segundo o Inca.

24. Formaldeído: conhecido também pelo nome de formol, o formaldeído é potencialmente cancerígeno. Isso porque o formol evapora em condições normais de temperatura e o contato direto com grandes concentrações é altamente perigoso à saúde humana. Inclusive, no Brasil, a Anvisa propõe a substituição desse agente por vários produtos.

25. Impantes: introduzir objetos estranhos em seu corpo, como um implante mamário de silicone, pode elevar os riscos de câncer, segundo a IARC. Inclusive, pacientes norte-americanas já iniciaram uma ação coletiva contra uma empresa de próteses, após desenvolveram câncer supostamente ligado a operação de implante.

26. Gases tóxicos: respirar um ar contaminado com gases tóxicos durante anos pode levar ao desenvolvimento de um câncer. Isso porque podem contaminar, gradualmente, o sistema respiratório das pessoas e outros órgãos.

27. Fuligem: o mais perigoso nessa questão é a inalação de fuligem e outras partículas poluentes vindas de queimadas, associada a alguns tipos de câncer, como de pulmão, esôfago e bexiga. O risco, no entanto, é maior para aqueles que têm contato diário com esse ar contaminado, como limpadores de chaminé.

28. Sílica: esse mineral é natural e pode ser encontrado na composição de pedras e da areia, por exemplo. Entretanto, o problema é quando trabalhadores da construção civil e de mineradores inalam partículas de sílica cortando, serrando ou perfurando uma rocha. De acordo com o Inca, “trabalhadores expostos à sílica, quando comparados com a população em geral, possui risco 2 a 3 vezes maior a câncer de pulmão”.

29. Radiação: os raios X e os raios gama são conhecidos por sua capacidade cancerígena. Essa ligação entre radiação e risco de câncer fica ainda mais clara, quando se pensa nas pessoas que foram expostas a altas doses de radiação em um acidente nuclear, como o Chernobyl. Por outro lado, há tratamentos contra cânceres usando altas doses de radiação. Aqui, tudo depende da forma e da exposição.

30. Inflamações crônicas: infecções de longo prazo e doenças intestinais que se prolongam para longos períodos, por exemplo, podem danificar, de forma singnificativa, o DNA de uma pessoa e, consequentemente, elevar as chances desse paciente desenvolver algum tipo de câncer.

31. Alguns plásticos: eles realmente são perigosos, especialmente, quando aquecidos com alimentos. Isso porque esse aquecimento pode liberar substâncias nocivas e, potencialmente, cancerígenas, como a dioxina, o bisfenol A (BPA) e os ftalatos. Como é difícil ter segurança quanto à presença ou não dessas substâncias nos plásticos, a recomendação, por exemplo, é nunca aquecer alimentos neles, muito menos fazer mamadeiras para crianças em recipientes com BPA. Muitos fabricantes já colocam nas embalagens de vasilhas, copos, garrafas e mamadeiras a inscrição “BPA Free”, associando-a ao uso seguro do utensílio.

32. HPV: entre as infecções virais, o papilomavírus humano é uma família comum de vírus sexualmente transmissíveis e pode colaborar com o desenvolvimento de alguns tipos de câncer, como o peniano, o vaginal e o anal. Por esse motivo o CDC, nos EUA, recomend a vacinação contra o HPV para os jovens.

33. Refrigerantes: embora sejam um produto muito consumido, especialmente por crianças, alguns refrigerantes podem representar riscos para saúde. Isso porque contêm a substância 4-MI, classificada como possivelmente cancerígena pela IARC. É encontrada no corante Caramelo IV, muito usado nos processos de fabricação dessas bebidas.

34. Bebidas quentes: mais do que queimar a língua de uma pessoa, o consumo intenso de bebidas quentes pode elevar os riscos de câncer na garganta. Pesquisas realizadas na América do Sul e no Irã avaliaram os riscos desse consumo e confirmaram a hipótese. Entretanto, esse é um risco relativamente pequeno e bem simples de contornar.

35. Acrilamida: é uma substância que se forma quando alguns alimentos (como pães, biscoitos, batatas e café) são fritos, grelhados ou torrados em altas temperaturas. Ainda se discute se a substância e esses produtos, após passarem por esse processo, são realmente cancerígenos. De acordo com a IARC, são “carcinógenos prováveis”.

Nem tudo está acabado

Embora haja uma lista consideravelmente grande de hábitos que possam se relacionar com o aparecimento do câncer, a boa notícia é que as taxas de sobrevivência ao câncer estão aumentando anualmente. Isso porque a detecção ocorre de forma muito mais precoce, há mais esforços de prevenção e melhores tratamentos disponíveis.

Nesse cenário, companhas contra o uso de tabaco e a favor do uso do protetor solar, incluindo uma série de exames preventivos, como o autoexame para câncer de mama, são eficazes para reduzir o número de casos fatais da doença. Além disso, acompanhamento médico regular é um importante fator para melhorar as chances de sobrevivência.

Mesmo que hábitos diários, como consumo de alimentos e comportamentos, possam contribuir para o desenvolvimento de determinados tipos de câncer, vale lembrar que os cientistas vivem uma busca constante por novas terapias e tratamentos contra uma das pelo menos 100 variações de câncer conhecidas.

Você pode gostar...

Fale Conosco
Enviar