PÓS-COVID: SOBREVIVENTES RELATAM COMO É SOBREVIVER COM AS SEQUELAS DA DOENÇA

 

.A 1ª morte por covid-19 foi confirmada no Brasil há pouco mais de 1 ano. Até esta 4ª feira (24.mar.2021), o Ministério da Saúde contabilizava mais de 10,7 milhões de recuperados. O que as autoridades não sabem mensurar é, dos que sobreviveram à doença, quantos ainda convivem com sequelas do novo coronavírus.

O gerente médico do Hospital Badim, no Rio de Janeiro, Antonino Eduardo, explica que há poucos estudos sobre as complicações decorrentes de covid-19 e a proporção de pessoas afetadas: “Uma pesquisa publicada no Jama American Medical Journal mostra que cerca de 30% dos pacientes desenvolvem sequelas no pós-covid”, exemplifica o médico.

Márcia de Castro, 48 anos, é uma das pessoas que ainda sentem os efeitos da doença. Ela foi diagnosticada com covid-19 em junho de 2020. Ficou internada 4 dias no hospital de campanha montado no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Nove meses depois da alta, a dona de casa ainda trata as sequelas

A fadiga acompanha Márcia desde que deixou o hospital. É uma das condições mais associadas ao “quadro de ‘covid crônica’”, de acordo com Antonino. Outras características comuns são “cansaço, comprometimento do paladar e o olfato por período longo de até 120 dias”.

O músico Rafael Maiolino Bloise, 33 anos, também enfrentou esse quadro: “Realizei o teste do RT-PCR e deu positivo. Tive todos os sintomas mais comuns como, dor de cabeça, falta de ar, dor de garganta, tosse, febre alta e cansaço”, conta Rafael.

Ele foi a trabalho para Itacaré, na Bahia, no 1º fim de semana de março de 2020. Os principais sintomas sumiram nas semanas seguintes, mas a falta de ar e o cansaço intenso continuaram por pelo menos 40 dias:

“Qualquer tarefa simples em casa virava uma maratona. Precisei fazer fisioterapia pulmonar para me recuperar. Essas consequências da contaminação atrapalharam tarefas simples na rotina”, relata.

Stephanie Patsch, 27 anos, sente os efeitos da covid-19 na sua rotina de trabalho. Ela está no curso de formação de bombeiros militares de Brasília e, desde que foi diagnosticada em junho de 2020, tem dificuldade em realizar as atividades físicas exigidas no batalhão: “Eu sofro bem mais que antes pra tentar atingir os índices do curso, parece que não entra ar suficiente e por isso eu preciso diminuir o ritmo”, relata.

“Eu fiz uma tomografia de tórax ano passado, alguns meses depois que tinha sido diagnosticada, e descobri um cisto já calcificado no meu pulmão, mas não deu pra afirmar com certeza que foi por conta da doença”, acrescenta a jovemArquivo pessoal/Stephanie Patsch

O olfato de Stephanie continua “longe do que era”. Ela só sente cheiros fortes e confunde certos odores. A jovem conta que, certa vez, a boca do fogão apagou e o gás começou a vazar, mas ela não percebeu sozinha. Uma pessoa precisou entrar na cozinha e avisá-la.

SEQUELAS MENOS ÓBVIAS: Raphael Rangel, virologista e coordenador do curso de biomedicina do IBMR (Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação), explica que a covid-19 também pode deixar sequelas cognitivas, como esquecimentos.

Essa é uma das queixas de Márcia. Ela afirma que os lapsos já foram motivo de discussão com o marido, ao cobrar dele tarefas domésticas que ela própria já tinha realizado.

A dona de casa também precisou procurar terapia para combater sintomas relacionados à depressão e ansiedade. Ela conta que, no começo, ouvia os sons das máquinas do hospital em casa. Ainda hoje sofre de ataques de pânico.

Rafael vive situação parecida. “As sequelas que desenvolvi me causaram crise de ansiedade, precisando acompanhamento médico”, explicou o músico.

Márcia encontrou um grupo de apoio na sala de espera da fisioterapia, onde conversa com pessoas que vivem a mesma situação. Mas relata que ainda sente medo: “Com essas novas variantes, reinfecções, nunca se sabe. Acho que posso não sobreviver, se pegar de novo”.

Para Rangel, contudo, a possibilidade mais preocupante são sequelas neurológicas: “Existem grupos, como o da USP (Universidade de São Paulo) que pesquisam se a covid pode predispor doenças neurodegenerativas. Mas isso só o tempo e a ciência vão dizer”, conclui.

AFINAL, QUEM DESENVOLVE COMPLICAÇÕES? Apesar da escassez de estudos, alguns grupos aparentam desenvolver sequelas com maior frequência: portadores de doenças respiratórias, hipertensos, diabéticos e pessoas com obesidade. Antonino acrescenta: “Há também aqueles pacientes que desenvolveram a forma grave da doença e que precisaram ser intubados; estes apresentam um maior percentual de sequelas”.

Juliana Thimotheo, fisioterapeuta traumato-ortopédica, trabalha diretamente com pacientes que tratam complicações de covid-19. Ela avalia que o histórico do paciente é determinante para o desenvolvimento de sequelas: “O que vemos com mais frequência são casos em que a covid acentuou uma condição anterior”, relata a fisioterapeuta.

Márcia é hipertensa e está acima do peso. Foi a única da família de 4 pessoas a desenvolver um quadro tão grave da doença e enfrentar sequelas. O filho cadeirante, diz ela, parece ter sido o que menos sentiu a covid-19.

SEQUELAS NÃO SÃO PARTICULARIDADE DA COVID-19: A covid-19 é um tipo de SRAG (síndrome respiratória aguda grave). Está na mesma categoria que a influenza e a pneumonia.

“É comum que pessoas que tiveram SRAG desenvolvam sequelas”, explica Juliana. “Pacientes jovens também desenvolvem complicações, mas é mais raro”, acrescenta a fisioterapeuta.

Antonino afirma que a gravidade do quadro de SRAG influencia no desenvolvimento de complicações: “Todo paciente que foi intubado, que passou por síndrome respiratória aguda grave, pode ter sequelas decorrentes do período de intubação e do tratamento”, explica o médico.

Ele também esclarece a diferença entre o sintoma e a sequela de covid-19:

“Sintoma é algo subjetivo, sensações que o paciente descreve ao médico como, por exemplo, a falta de ar, a ausência de gosto. Já a sequela é tudo aquilo que existe após a doença. Sintoma é algo ‘particular’, como o paciente relatar que está com dor de cabeça. No pós-covid é comum um fenômeno que estamos chamando de síndrome pós-covid, que é um conjunto de sinais e sintomas que ocorrem depois da pessoa passar pela doença”. 

Antonino explica que ainda não é possível afirmar que as sequelas sejam permanentes, mas que essas possuem maior probabilidade sendo de natureza pulmonar:

“É muito difícil afirmar sobre as sequelas permanentes, porque temos pacientes que desenvolveram a doença há um ano. Mas, as sequelas que percebemos que podem ser permanentes são de natureza pulmonar, quando o paciente desenvolve a fibrose pulmonar. Essa complicação é bem grave e comum na covid-19, especialmente nos pacientes que foram intubados, interferindo muito na qualidade de vida da pessoa”, diz.

TRATAMENTO: Rangel aconselha que, caso o paciente observe sintomas ou comportamentos atípicos após o período de infecção pelo coronavírus, procure assistência médica: “Os tratamentos adequados serão indicados por um especialista”, diz.

Márcia se consultou com pelo menos 7 profissionais de diferentes áreas desde que recebeu alta. Os exames estão normais: “O pulmão tá 100%, o sangue também –graças a Deus”, conta a dona de casa. E acrescenta: “É uma coisa inexplicável. Você percebe os médicos perdidos. Depois que você fala que teve covid, a expressão deles chega a mudar”.

Depois que adquiriu um plano de saúde, em novembro, Márcia começou a fazer fisioterapia três vezes por semana –respiratória, para dor crônica e fadiga pós-covid-19. Não conseguiu atendimento pela rede pública.

Ela também começou a fazer acupuntura. A prática, aliada à fisioterapia, é onde encontra alívio: “Melhor do que qualquer medicação”, afirma.

A rotina de Márcia de Castro envolve consultas constantes e sessões de fisioterapia desde que foi diagnosticada com covid-19, em junho de 2020. O marido descarta a maioria dos medicamentos antigos. “Numa crise, eu quero tomar tudo. Posso confundir os remédios e é até perigoso”, conta a dona de casaSérgio Lima/mar.2021

Pela experiência de Juliana, os pacientes se recuperam das sequelas cardiorrespiratórias em cerca de 5 a 6 meses, desde que sigam o tratamento corretamente. “Depende de cada caso, mas trabalhamos o alongamento e fortalecimento muscular, a reexpansão pulmonar e a higiene brônquica”.

Stephanie usa uma bomba para asma para auxiliar a capacidade pulmonar, por recomendação de um pneumologista. “Durante um treinamento de corrida de 1.500 m em velocidade alta, eu terminei o percurso sem conseguir respirar. Eu tentava tossir pra ver se desobstruía a passagem, mas não adiantava, o ar não entrava. Foi quando procurei o pneumologista”, explica a bombeira em formação.

De acordo com o médico, aquele foi um episódio de bronquite asmática, coisa que Stephanie nunca tivera antes. “Geralmente asma aparece já na infância, né? O meu foi depois da covid”, explica a jovem.

Juliana ressalta a importância da atividade física para o tratamento: “Não é ideal ficar só na fisioterapia. Percebemos que quem pratica uma atividade física tem um desenvolvimento bem melhor”.

O QUE DIZ O MINISTÉRIO DA SAÚDE : O governo calcula o número de “recuperados” da covid-19 por eliminação. Se o paciente não está hospitalizado e os sintomas começaram há mais de 14 dias, ou se a pessoa estava internada e recebeu alta; ela deixa de ser contabilizada entre os casos “em acompanhamento” e entra na estatística de “recuperados”.

O Ministério da Saúde formula um documento específico sobre complicações decorrentes do novo coronavírus. Até a publicação desta reportagem, o material não havia sido divulgado.

Você pode gostar...

Fale Conosco
Enviar